Crise econômica fomenta segmento de consultoria empresarial
 

• Empresários buscam redução de custos em toda a cadeia produtiva e planejam ações para atingir resultados superiores nos próximos anos; a procura por serviços especializados em gestão econômico-financeira cresceu 45% em 2016
A queda no consumo e na rentabilidade das empresas brasileiras, decorrentes da crise econômica, fizeram expandir o mercado de consultoria empresarial. As organizações buscam, nesse tipo de serviço, uma maneira mais eficiente de gerir seus negócios, enxugando custos e planejando cada passo, para ultrapassar o mau momento da economia do país.

A Basseifer, que atua na comercialização de aço e ferro, com sede em Sorocaba (SP), sentiu fortemente o impacto da baixa nas vendas no segmento da construção civil. Como as construtoras, atualmente, mantêm um grande estoque de imóveis, tiveram que brecar a construção de novos edifícios. Desta maneira, a retração do setor também trouxe um grande desafio para a diretoria da empresa. O controle acirrado das finanças não foi o suficiente para fazer com que parasse de derrapar em meio à turbulência econômica pela qual o Brasil ainda passa.

Por conta disso, decidiu-se pela contratação de uma consultoria externa, com o objetivo de traçar um novo planejamento econômico-financeiro, que colocasse a empresa novamente nos trilhos. “A consultoria trouxe uma nova perspectiva para o negócio, ampliando nossa visão para itens a que pouco nos atentávamos”, afirma o sócio-diretor da Basseifer, José Rocha de Oliveira.

Uma das principais ações que ajudou no desafogamento da organização foi a minimização do desperdício na linha de produção e na utilização dos insumos. Além disso, apostou-se em um realinhamento da gestão e no planejamento detalhado das ações para 2017, em busca de resultados positivos. “Com uma melhor margem para o trabalho, agora, estamos elaborando um plano para aumentar a demanda pelo nosso serviço”, conta Oliveira.

Nos dias de hoje, a experiência com gestão de crise é exigida dos profissionais que oferecem consultoria empresarial, conta Walber Almeida Xavier de Sousa, diretor da AXS Consultoria Empresarial. “Para ganhar competitividade, as empresas precisam racionalizar os gastos e planejar o foco de atuação. No entanto, cerca de 80% das organizações não sabem sequer se apresentam lucro ou prejuízo. Sem estes indicativos, fica impossível alcançar um resultado eficaz”, alerta o especialista, que contabiliza crescimento de 45% na procura por seus serviços desde o início da crise no país, em 2014.

Planejar para crescer
Para Walber, o planejamento econômico-financeiro das empresas ainda é um gargalo a ser solucionado. Buscando um controle interno mais apurado, a Roma Clicheria, do setor de impressão de embalagens, com sede em Valinhos (SP), contratou um serviço de consultoria, para que colocasse em prática um planejamento que deverá fazer com que a empresa cresça nos próximos dois anos.

A proposta de trabalho é organizar as informações, para que seja possível visualizar índices mais apurados das operações financeiras da empresa, fornecendo dados precisos à gerência para a tomada assertiva de decisões. “Já estamos trabalhando há oito meses nesse processo e ajustando as planilhas, para saber a real situação do negócio e onde podemos ajustar os gastos e, com isto, dar um importante passo rumo ao crescimento”, explica o sócio-diretor Naldo José Dago Júnior.

O especialista Walber destaca que a principal missão da consultoria empresarial é entender qual a real necessidade da empresa e suas deficiências nos procedimentos internos e na administração financeira. “Ao identificarmos os pontos fortes e fracos da gestão, buscamos soluções que, uma vez implantadas, passarão a ser rotina às equipes, trazendo precisão e resultados ainda melhores”, finaliza.